Resumo da ministração feita no PICNIC da família 2010

Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as pratica é como um homem prudente que construiu a sua casa sobre a rocha. Mateus 7:24

O mito da família perfeita

O imaginário humano gosta de fantasias, o cinema, a indústria de entretenimento vive disso. Somos inclinados a extremos, ou a catástrofe, ou ao conto de fadas. Quando pensamos em família,  idealizamos uma família surreal, com ausência de conflitos, onde todos os relacionamentos são permeados pelo mais terno lirismo de amor, paciência e cordialidade, ou então vamos para o outro extremo, cremos que famílias problemáticas são comuns, de  que a vida é assim mesmo, e nada pode mudar a trajetória descendente que o projeto família se encontra. Estes dois extremos são perigosos e falsos, nem há famílias perfeitas e nem podemos nos conformar com as imperfeições de nossas famílias.

Há um personagem bíblico que nos cativa profundamente, talvez seja aquele que mais traduz no  antigo testamento os valores bíblicos de ética, fidelidade, santidade; estou me referindo a vida de José, filho de Jacó e Raquel ,  homem de Deus, que conseguiu marcar uma geração e transformar o destino de pessoas. Sempre que olhamos para sua vida nos atemos a alta capacidade de superar adversidades e permanecer fiel, mas pouca atenção damos ao histórico familiar de onde ele surgiu, talvez se não tivéssemos acesso a esses relatos com certeza acreditaríamos que José é fruto de uma família extremamente estruturada que  conferiu a ele e seus irmãos uma base sólida de valores e espiritualidade que permitiu com que ele se tornasse esse homem admirável. Mas não é isso que encontramos em seu currículo familiar. Filho de um pai polígamo,  tinha três madrastas, dez meio-irmãos e uma irmã, todos vivendo juntos na mesma casa. Seu pai era uma pessoa parcial, passiva e fraca. Seus irmãos não eram conhecidos por sua pureza, parece que eles estavam cedendo às pressões da sociedade pagã ao redor deles que incluia tanto a idolatria como a imoralidade. Havia nesta casa ódio declarado entre os irmãos.

Como alguém vivendo num lar imperfeito como esse pode tornar-se uma pessoa fiel, e correta?

Costumamos nos esconder atrás da nossa história de vida, para justificar nossas atitudes ou até mesmo a falta delas, transferimos para a educação que recebemos, ou para o exemplo familiar que tivemos, para justificar nossa negligência como filhos, pais ou cônjuge. José não escondeu-se atrás disso, José poderia crescer como uma pessoa revoltada, rebelde, promíscua, mas não. José tinha uma fé que o trazia para a sensatez, ele tinha um Deus para quem podia olhar e caminhar sobre as suas palavras e não sobre aquelas que recebera de sua família, José podia permanecer íntegro mesmo não vendo integridade ao seu lado.

Como engenheiro trabalhei em muitas obras, e aprendi que uma construção nunca desaba sem antes mostrar alguns sinais, são algumas rachaduras que vão surgindo nas estruturas e que indicam que algo não vai bem. Fazer de conta que elas não existem, ou tentar encobri-las com algum revestimento pode até dar uma sensação de que tudo está bem, mas o problema continua presente, e  agravando-se. A melhor coisa a fazer é identificar onde está o problema e buscar ajuda para solucioná-lo, fazer um reforço na estrutura para possibilitar que aquela edificação permaneça erguida.

Famílias perfeitas não existem, filhos perfeitos não existem, pais perfeitos não existem, mesmo porque você não é perfeito.  Não podemos fazer de conta que não há áreas de nossas vidas e relacionamentos que precisam ser ajustados. Precisamos sim, identificá-los e a luz da ação do Espírito Santo contar com a graça de Deus para nos ajudar a reparar nossa casa.

Deus é um Deus que reescreve histórias, é aquele que entra em nossas vidas para fazer algo novo, é aquele que trás boas notícias às famílias destruídas, é aquele que cuidar dos que tiveram seus corações feridos e que hoje encontram-se quebrantados, é aquele que anuncia liberdade aos cativos do entraves emocionais vividos em família, é aquele que traz luz aos que imaginavam que sua posteridade viveria em trevas, é aquele que proclama que a bondade de Deus está presente e acessível a todos os que quiserem receber, é aquele que vem  para consolar todos os que andam tristes e sem esperança, e devolver a alegria do viver em família, conscientes de que ela não é perfeita, mas que o Espírito Santo de Deus pode nos capacitar para fazer dela um lugar de manifestação da glória de Deus.

Pr. Fernando Carvalho

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *