“Ela me amava com todo o seu coração. Não pude evitar não ama-la também. Ela gostava de se encolher no meu colo e me beijar. Não posso contar quantas vezes me perdi no seu amor. A amava tanto que doía”.
Esta poderia ser a declaração romântica de um homem para uma mulher, se não fosse o fato de ele ter 45 anos e ela apenas 6. Existem um número infindável de blogs e páginas ocultas na internet, em que diferentes grupos de pedófilos manifestam seu amor pelas crianças.
Si bem que tão somente em mencionar a pedofilia nos causa repulsa, mas esta conduta compulsiva tem crescido silenciosamente a passos gigantescos no mundo. Décadas atrás era muito difícil conceber a união civil de pessoas do mesmo sexo; mais agora em muitas nações isto já é uma realidade. Hoje ainda, é de arrepiar, somente o pensamento do fato de a pedofilia ser aceita ou que seja legalizada. No entanto, pode ser uma realidade próxima da qual não nos damos conta.
A pedofilia não somente se propaga com rapidez, mas agora os seus adeptos pretendem torna-la legitima. Com o movimento internacional denominado BoyLove (Amor à criança), diversos grupos, (principalmente nos países em que já foi aprovada a união civil do mesmo sexo) tem insistido há décadas para que se reduza “a idade de consentimento para ter relações sexuais”.
Usando as mesmas táticas empregadas pelos ativistas do direito gay, “os pedófilos tem começado a buscar um status similar. Argumentando que seu desejo pelas crianças é uma orientação sexual, que não é diferente da orientação heterossexual ou homossexual e eles baseados na quinta edição do Manual de Diagnóstico e Estatística dos transtornos Mentais – DSMV) e na Associação Americana de Psicologia (APA), que determinam a pedofilia como uma orientação sexual ou exercício da preferência sexual sem a consumação do ato sexual”.
DESMASCARANDO A INTENÇÃO
As metas do ativismo pró-pedofilia incluem:
* Derrubar as leis com relação a idade de consentimento.
* Descategorização da pedofilia com a finalidade de *parafilia, com o fim de procriação ou adoção. Os ativistas do movimento solicitam que a pedofilia seja retirada do diagnóstico e do manual Estatístico das Desordens Mentais.
* Alguns ativistas também promovem o uso de termos como “pedosexual”, “boylove( r )”, “childlover ( r )”, desejando combater o estigma social do termo “pedófilo”.
* Promover a ideia que o ativismo de pedofilia é similar ou idêntico à movimentos como o feminismo, pelos direitos gay ou da tolerância racial.

No entanto suas principais metas são legalizar ao direito a ter pornografia infantil e diminuir a idade legal para ter relações sexuais com menores. Há doze anos estas eram as bases fundamentais sobre as quais se mantiveram, durante quatro anos na Holanda, o Partido do Amor Fraterno, da Liberdade e da Diversidade (PNVD pelas siglas em Holandês). Em uma entrevista com o jornal espanhol “El mundo”, o presidente do partido Marthijn Uittenbogaard explicou sua concepção desta liberdade aplicada a possibilidade de que um adulto tenha relações sexuais com um menor de idade: “Elegemos 12 anos porque nesta idade uma criança pode decidir se vai morar com o pai ou com a mãe, se quer jogar futebol ou ir ao cinema”.

SUAS PROPOSTAS POLITICAS ERAM ASSIM:
* Pedofilia. Liberdade de relações sexuais com seres humanos de qualquer sexo a partir dos 12 anos de idade.
* Zoofilia. Relações sexuais livres com animais, evitando, isto sim, qualquer dano físico.
* Pornografia ao alcance de todos. Liberdade de difusão dos materiais pornográficos em qualquer meio de comunicação e a qualquer horário. Quando a pornografia for acompanhada de violência deverá ser veiculada no horário noturno.
Ao manifestar suas principais intenções, causaram indignação e milhares de assinaturas foram recolhidas como um abaixo assinado contra o partido político. Na sua despedida foi transmitido uma mensagem otimista que dizia: “Quando há 30 anos alguém se atreveu a propor a lei do direito do aborto livre, a eutanásia, ou o casamento homossexual a sociedade holandesa se escandalizou. Hoje todas estas práticas são aceitas como as mais naturais em todo o mundo. Confiamos que algo parecido acontecerá com as ideias que hoje são propostas pelo PNVD”.
Quando se cede diante da ideologia, não restam surpresas, o seguinte passo é que outros tentem considerar normal a “pederastia”, o abuso desonesto cometido contra as crianças, indicando que também este grupo tem a “verdade e a dignidade”.
DIA INTERNACIONAL DE AMOR ÀS CRIANÇAS
Em 1998, um grupo de pedófilos norte americanos, amparados na liberdade de expressão estabelecida na primeira ementa da Constituição, criou o Dia Internacional de amor às crianças (IBLD pelas suas siglas em inglês). Assim como se fosse o dia das mães ou dos pais, os pedófilos estabeleceram o 23 de junho. A maneira de celebrar este dia, segundo explicam na sua web pagina www.ibld.com, é colocando uma vela azul em algum lugar visível à comunidade junto a uma nota expressando o porque manter relações sexuais com as crianças não deve ser visto como um delito.
IDENTIFICANDO UM PEDÓFILO
Se bem que os pedófilos são super cuidadosos em se mostrar como tais, existem três imagens identificadas, até o momento, que são usadas pelos pedófilos para se identificar entre eles, assim como suas preferência.
Em janeiro de 2008 uma das dependências do FBI elaborou um informativo sobre a pedofilia. Nele, foram identificadas uma serie de símbolos que eles usam para se identificar, que são sempre compostos pela união de 2 similares, um dentro do outro. O de forma maior identifica o adulto, a parte menor a criança. A diferença de tamanho entre eles mostra uma preferência por crianças maiores ou menores em quanto a idade. Os símbolos se encontram em objetos como, moedas, joias, anéis, pingentes, entre outros. Os triângulos representam aos homens que gostam de meninos (o detalhe cruel é o triangulo menor, que representa ao homem que gosta de meninos bem pequenos); o coração são homens (ou mulheres) que gostam de meninas e a borboleta representa aos que gostam de ambos, segundo o informativo. Estes dados foram recolhidos pelo FBI durante várias invasões feitas domicílios de pedófilos.
Estes grupos estão muito firmes em seus propósitos e tem a paciência de sensibilizar pouco a pouco a sociedade com suas reivindicações; o primeiro passo é criar compaixão e compreensão. A idade legal de consentimento sexual tem sido diminuída em muitos países e temos a responsabilidade de cuidar das crianças: “Uma criança com carências afetivas é um alvo fácil para um pedófilo, os menores com problemas familiares e de comunicação com os pais, querem preencher o vazio que tem e dão a oportunidade para que outra pessoa adulta ocupe este lugar de autoridade sobre sua vida.
Fiquemos alertas e levantemos nossa voz; enquanto seja possível; temos a responsabilidade de fazer isto. Existem gerações por vir e isto exige que pesemos: que sociedade queremos que vivam nossos filhos?

*parafilia: (do grego para “fora de”e, philia, “amor”) é um padrão de comportamento sexual no qual, em geral, a fonte principal de prazer não se encontra na cópula, mas em alguma outra atividade. São considerados também parafilias os padrões de comportamento em que o desvio se dá não no ato, mas no objeto do desejo sesual, ou seja, no tipo de parceiro.
(FONTE WIKIPEDIA, adicionado o termo para maiores
esclarecimentos não está no original)

PATRICIA SANTA CRUZ
tradução: Denise Silva

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *